Artigo novo no Intercom NE

Entre outros usos, o termo “lo-fi” (corruptela de “baixa fidelidade” em inglês) aparece tanto na paisagem sonora schaferiana quanto no indie rock pré-mainstream. Embora esteja associado a qualidades negativas no primeiro âmbito e a positivas no segundo, ambas as posturas emergem da mesma ideia de “fidelidade” cultivada no fenômeno da estereofonia e reivindicam condições de produção e contemplação sonora que teriam ficado perdidas no passado – senão em uma era pré-industrial, pelo menos em um momento anterior à indústria cultural. Uma análise de tal caso parece desafiar a pertinência da dupla lógica da remediação, de Bolter e Grusin, para lidar com processos sonoros. Isto porque concepções de lo-fi mostram que tornar os meios perceptíveis nem sempre resulta em ausência de presença ou bloqueio de um senso de imersão.

Palavras-Chave: teorias da mídia; estudos do som; estereofonia; paisagem sonora; indie rock

__________________

Acesso ao documento nos anais do congresso aqui.

Ou aqui: R57-1700-1

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s